A DIFERENÇA

A DIFERENÇA

A reunião alcançava a parte final. E, na organização mediúnica, Bezerra de Menezes retinha a palavra.

O benfeitor desencarnado distribuía consolações, quando um companheiro o alvejou com azedume:

— Bezerra, não concordo com tanta máscara no ambiente espírita. Estou cansado de tartufismo. Falo contra mim mesmo. Posso, acaso, dizer que sou espírita-cristão? Vejo-me fustigado por egoísmo e intolerância, avareza e ciúme; cometo desatenções e disparates; reconheço-me freqüentemente caído em maledicência e cobiça; ainda não venci a desconfiança, nem a propensão para ressentir-me; quando menos espero, chafurdo-me nos erros da vaidade e do orgulho; involuntariamente, articulo ofensas contra o próximo; a ambição mora comigo e, por isso, agrido os meus semelhantes com toda a força de minha brutalidade; a crítica, o despeito, a maldade e a imperfeição me seguem constantemente. Posso declarar-me espírita com tantos defeitos?

O venerável orientador espiritual respondeu, sereno:

— Eu também, meu amigo, ainda estou em meio de todas essas mazelas e sou espírita-cristão…

— Como assim? — revidou o consulente agitado.

— Perfeitamente — concluiu Bezerra, sem alterar-se. — Todas essas qualidades negativas ainda me acompanham… Só existe, porém, um ponto, meu caro, que não posso esquecer. É que, antes de ser espírita-cristão, eu fazia força para correr atrás de todas elas e agora, que sou cristão e espírita, faço força para fugir delas todas…

E, sorrindo:

— Como vê, há muita diferença.

pelo Espírito Irmão X – Do livro Momentos de Ouro. Psicografia de Frâncico Cândido Xavier

Anúncios

ANTEVIDÊNCIA DIVINA

Observe as lições silenciosas que o seu próprio corpo lhe administra, revelando a Antevidência Divina.

Não siga desacautelado.

Seus pés não se apóiam à terra à feição de simples esteios com vontade própria.

Respeite as faculdades genéticas.

Não é por acaso que os órgãos sexuais apenas funcionam sob a sanção do pensamento…

Coma moderadamente.

Seu estômago não é um só devido à falta de espaço no ventre…

Eduque as manifestações emotivas.

Não é à toa que o motor de seu coração vive durante a existência inteira vibrando oculto na caxia do peito…

Trabalhe sempre.

Suas mãos não se encontram desfrutando ampla liberdade de ação, na ponta dos braços, por meros enfeites…

Fale com parcimônia.

Sua língua não vive enclausurada no cárcere da boca por ser feia…

Escute atenciosamente.

Seus ouvidos não existem quais janelas incapazes de vedamento por descuido do Construtor Celeste…

Veja mais além.

Seus olhos não estão elevados sobre a face somente para olharem para baixo…

Discirna tudo.

Sua mente não trabalha como torre de comando de todo o corpo tão só para coroar-lhe a estética…

Atenda à consciência.

Se ela não surge visível em seu organismo é para não ter a voz selável…

Lembre-se, o seu corpo assinala a Excelsa Sabedoria e o Amor Ilimitado d´Aquele que é a Inteligência Suprema e a Causa Incriada de Tudo.

 

pelo Espírito André Luiz – do Livro Ideal Espírita – Psicografia Francisco C. Xavier – Espíritos Diversos.

Fonte: www.caminhosluz.com.br

CIÊNCIA E TEMPERANÇA

“E à ciência, a temperança; à temperança, a paciência; à paciência, a piedade.” – (II PEDRO, 1:6.)

Quem sabe precisa ser sóbrio.

Não vale saber para destruir.

Muita gente, aos primeiros contactos com a fonte do conhecimento, assume atitudes contraditórias.

Impondo idéias, golpeando aqui e acolá, semelhantes expositores do saber nada mais realizam que a perturbação.

É por isso que a ciência, em suas expressões diversas, dá mão forte a conflitos ruinosos ou inúteis em política, filosofia e religião.

Quase todos os desequilíbrios do mundo se originam da intemperança naqueles que aprenderam alguma coisa.

Não esqueçamos.

Toda ciência, desde o recanto mais humilde ao mais elevado da Terra, exige ponderação.

O homem do serviço de higiene precisa temperança, a fim de que a sua vassoura não constitua objeto de tropeço, tanto quanto o homem de governo necessita sobriedade no lançamento das leis, para não conturbar o espírito da multidão.

E não olvidemos que a temperança, para surtir o êxito desejado, não pode eximir-se à paciência, como a paciência, para bem demonstrar-se, não pode fugir à piedade, que é sempre compreensão e concurso fraternal.

Se algo sabes na vida, não te precipites a ensinar como quem tiraniza, menosprezando conquistas alheias.

Examina as situações características de cada uni e procura, primeiramente, entender o irmão de luta. Saber não é tudo. É necessário fazer.

E para bem fazer, homem algum dispensará a calma e a serenidade, imprescindíveis ao êxito, nem desdenhará a cooperação, que é a companheira dileta do amor.

 

 


Livro: Vinha de Luz – pelo Espírito Emmanuel – Psicografia de Chico Xavier.

Fonte: www.caminhosluz.com.br